AS TRANSFORMAÇÕES NAS VIAGENS DE NOSSA FAMÍLIA

Bem, comecei a fazer esse post porque iria participar do blog de uma amiga da blogosfera que escreve sobre viagens em família.
 Aceitei o convite, mas, depois fiquei pensando: uai, do que vou falar ? 
Meus filhos já são adultos e as viagens em família estão distantes !!!!!!  

 Mas pensando melhor, achei que tinha história pra contar sim.
No caso, a história de como nossas viagens em família foram se transformando ao longo dos anos.
Eu sou Lilian Azevedo do blog "Uma Senhora Viagem", sou educadora aposentada. Estou casada com Perri há 35 anos e, juntos, temos 3 filhos: Tiago, Juliana e Pedro.

Eles foram picados pelo "bichinho da viagem" desde pequenos pois o Perri cultivou em todos nós esse prazer de fazer de um simples passeio um grande programa, de apreciar não só o destino final, mas o caminho também, de curtir tanto a pousada quanto o resort, de aproveitar atividades dirigidas e de fazer outras tantas por conta própria.  


Muitas vezes estávamos em casa sem fazer nada 
e logo ele fazia um convite: "vamos dar uma volta ?"  
e, aí saíamos de casa para passear na Floresta da Tijuca ou ir 
para as praias de Niterói.



Perri também sempre adorou viajar e trocava qualquer tipo de comemoração por uma viagem. Assim, viajamos em família muitas e muitas vezes para Nova Friburgo, onde minha mãe tem casa, e, algumas vezes, para Búzios, casa de amigos. 

Durante uma fase de nossas vidas, os hotéis fazenda também fizeram parte das viagens comemorativas de aniversários. É, meu marido achava mais proveitoso e uma experiência mais marcante viajar do que fazer festinha. A viagem com avós, alguns amiguinhos e primos era uma farra só.



A primeira viagem dos 5, para além dos limites de Friburgo, foi em um inverno para Campos do Jordão onde nos hospedamos na Colônia de Férias da Polícia Militar. 
Sabe aquele período inicial de vida, grana curta, 3 filhos pequenos e uma enorme vontade de viajar ? Pois é, eis que um amigo surgiu com essa proposta  e nós não pensamos duas vezes. 
Gente, pegamos um frio intenso num "alojamento" sem infra estrutura para tal, o aquecedor era tão pequeno que mais parecia uma torradeira. O frio do lado de fora era tão forte quanto do lado de dentro.Todos dormiram de pijama e casaco de capuz pois o frio fazia doer a cabeça. Pedro, o caçula, ainda bem pequeno, dormiu no meio de nós dois para não congelar. 
Mesmo com tudo isso, valeu ! E todos lembram dessa trip com muitas histórias engraçadas para contar.




Nossa primeira viagem "grande" foi uma aventura !
 Do Rio de Janeiro para Porto Seguro, no verão de um mês de Janeiro, em um Uno Mille, sem ar condicionado. Que tal ? 
Dvd, Ipad, joguinhos eletrônicos não existiam !!!!
Adedanha, contar carros da cor x, forca, músicas infantis, adivinhações e histórias da minha infância foram alguns dos recursos que usamos 
para ocupar nosso tempo...
Chegamos bem, nos hospedamos numa pousada super simpática em Santa Cruz de Cabrália, onde o barato foi ter uma suíte só para eles. De lá passeamos muito por Porto Seguro e Arraial d'Ajuda. Vivemos dias super legais !


Um tempo depois, fizemos a 1ª viagem de avião de toda a família, numa excursão da Soletur [alguém lembra ? vocês já eram nascidas ? ].
Fomos para Gramado em julho, inverno, com direito a conhecer Nova Petrópolis, Canela, Bento Gonçalves, Carlos Barbosa, vinícola Aurora, fábrica de chocolate... As crianças adoravam hospedagem em hotel, pois era diferente da experiência de ficar na casa da avó.
 Em Gramado, nos hospedamos no Hotel Villa Bella e eles ficaram em um quarto anexo ao nosso. 
Eles amaram e nós também!




Mas nada superou o frisson que foi ir à Disney pela 1ª vez, ou, melhor, aos EUA, já que nossa 1ª parada e estadia foi em Miami. De lá, de carro, fomos para Orlando. Detalhe, sem GPS e fizemos todos os passeios!!!!!

 

Temos recordações muito bonitas desses momentos singulares de convivência, das observações que as crianças faziam, das nossas conversas e das conversas entre eles, das expectativas no momento de preparação das viagens, dos relatos pós viagem, das diferenças entre o que foi mais significativo para um e para outro e, principalmente, de estarmos juntos. Até dos perrengues e frustrações sentimos saudades.

Depois da Disney, foi tornando-se cada vez mais difícil juntar os cinco para viajar pois a diferença de idade entre o Tiago e o Pedro é de 8 anos, então, escolher um destino que agradasse a todos ou que pudesse ser encaixado na agenda de todos passou a ser um complicador.
E aí as viagens passaram a ser em trio ou quarteto, variando os componentes.

Sempre achava estranho viajar sem um deles, mas eram situações 
concretas que surgiam. Mesmo assim, eu ia meio culpada.

Acho que senti pra valer quando o motivo para não viajar foi "nem pensar, mãe" ou "o que tem para fazer lá ?" ou "eu não quero ir com vocês".

Então a ficha caiu ! Meus filhos tinham crescido e tinham outros desejos, portanto, viajar com pai e mãe já não tinha mais graça. Viajar com amigos era um "barato" para o mesmo lugar, que, se fosse com os pais, seria um "saco". 
Bem, aí chegou o tempo das viagens com a escola e das viagens para o sítio dos amigos, sempre muito boas, maravilhosas  !



Imagem do site www.freepik.com

Os intercâmbios foram um capítulo à parte. As frases ditas, ainda na chegada, no aeroporto: "melhor presente do mundo que vocês me deram" e "eu não queria voltar" só vieram a confirmar que viajar sem a tutela de pai e mãe era uma experiência necessária, que trazia muitos aprendizados importantes para ambos os lados, isto é, para pais e filhos. 
Teoricamente, tá ?  Porque, no fundo, como mãe sentia algo estranho ao 
ouvir essas declarações.
  
 Nossa última tentativa de reunir os 5 em uma viagem foi em 2003, quando resolvemos viajar por 1 semana para um resort em Cabo de  Santo Agostinho. Crentes que estávamos abafando!!!!
 Apesar das muitas atividades oferecidas pelo hotel, nós ainda alugamos um carro para passear em Recife e Olinda, mas nada disso foi suficiente para entusiasmá-los. Temos uma foto "emblemática" em que cada um dos três está dormindo em uma espreguiçadeira, de óculos escuros, embaixo de um ombrelone, num maravilhoso dia de sol.

Então, chegamos à conclusão que, sempre que pudéssemos, pagaríamos para eles viajarem da forma que quisessem.

De lá pra cá, muitas viagens foram feitas por nós e por cada um deles.

Em algumas datas importantes, perguntados sobre o que gostariam de ganhar de  presente, a resposta foi "viagem". 

Hoje, as crianças já não são mais crianças e sim "adultos trabalhadores" que adoram um feriadão para uma ida a Friburgo para casa da vovó ou para aproveitar uma promoção de viagem. As férias, sempre que possível, são divididas em 2 períodos para fazerem 2 viagens longas.
 A Juliana e o Pedro, em momentos diferentes, pediram para se incluir em nossas viagens.  
Minha glória é quando eles vêm pedir conselhos para a "mamãe blogueira" sobre destinos, dicas de hotel, preço de passagem etc. 

Fico feliz de ver que plantamos sementes. Semente de viver em família, semente de convivência, e, também, a semente do desejo de conhecer novas cidades, conhecer novos costumes, conhecer outras histórias, conhecer patrimônios, conhecer outras produções. 

A intenção desse relato não é dizer que isso acontece com todas as famílias.
 Essa foi a transformação vivida pela nossa família, assim foi a nossa história e sei que cada um tem a sua.

Antes de terminar, gostaria de dizer que, ao longo dos anos, uma coisa que não deixamos de fazer, foi ter um tempo só nosso e não abrimos mão de viajarmos sozinhos. Deixávamos as crianças com os avós ou em casa, com a supervisão deles, e íamos.
 Achava muito legal viajar com os filhos, nunca considerei um bicho de 7 cabeças, mas também não achava que só podíamos viajar com eles.



"Um homem precisa viajar, por sua conta, não por meio de histórias, imagens, livros e tevês, 
precisa viajar, por si, com os olhos e pés, para entender o que é seu".
Amir Klink 








13 comentários

  1. Lilian,
    Que relato lindo!!
    Espero ouvir do meu pequeno daqui uns anos, de que tudo valeu a pena, e que foram esses momentos em família que ficaram para sempre em nossa memória!!
    Vou compartilhar lá no Viagens que Sonhamos!
    Beijão,

    Fran @ViagensqueSonhamos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo carinho, Francine. Tenho certeza que ouvirá muitas coisas legais do Dodô pois ele é de uma outra geração e está tendo oportunidade de fazer viagens num outro contexto. beijos

      Excluir
  2. Que relato maravilhoso, me identifiquei demais, acho que famílias felizes realizam viagens felizes e retornam mais unidas ainda, como acontece conosco. Também plantamos a semente das viagens em nosso filho e agora ele fará seu primeiro intercâmbio, na Itália, a partir de setembro/16 e iremos com ele, claro, pelo menos nos primeiros dias. Não vejo a hora!!!
    Adorei o aquecedor com o tamanho de torradeira!!! Um beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito bom ver nossos filhos valorizando viajar para conhecer uma outra cultura,querendo aprender outra lingua,morar em outro país. Nosso caçula morou em Toulouse e fomos visitá-lo e ele nos acompanhou por uns dias. Ele todo feliz em nos levar para conhecer cidades que tinha visitado anteriormente

      Excluir
  3. Lilian, que post inspirador, lindo de mais!! Estou começando a jornada de viagens com as crianças e quero ser igual a vc quando crescer!!! Parabéns por nos inspirar!!

    ResponderExcluir
  4. Que delícia de post! Queria até te dar um abraço.
    Eu não tenho nada de mais rico na minha vida do que as lembranças, as histórias que tenho, as fotos que tirei... A gente pensa exatamente como o Perri. E minha filha aos 10 anos já deixei ir sozinha com a escola pro Canadá? Louca? Não, colhendo o que plantei. A sementinha tá germinando. Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Melissa Lima, já me senti abraçada, obrigada. Com certeza sua sementinha já está germinando. Bons momentos ! beijos

      Excluir
  5. Ai Lilian, que post lindo... impossível não me identificar e imaginar que será assim aqui em casa, em poucos anos. Mas esse é o nosso papel, abrir as portas do mundo para nossos filhos e plantar as melhores sementes para que floresçam neles. Lindo relato!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quwrida Claudia,com certeza as Passeadeiras serão viajantes a descobrir belezas por aí. Beijos e obrigada.

      Excluir
    2. Quwrida Claudia,com certeza as Passeadeiras serão viajantes a descobrir belezas por aí. Beijos e obrigada.

      Excluir