BATE E VOLTA TRANCOSO

Acordamos no domingo animadíssimos para ir a Trancoso. Na verdade, acordamos animados para passear. Qualquer destino seria válido. Até pensamos em ir para Porto Seguro, mas, como não queríamos enfrentar fila para a travessia de balsa, decidimos passear para o lado que estávamos.

A estrada para sair de Arraial d'Ajuda no sentido de Trancoso é bem sinalizada e é asfaltada até um certo trecho. Mas tem buracos enormes e perigosos.

Logo no início do caminho há uma "paradinha" obrigatória: Leno Cerâmica, uma fábrica/loja que vende casinhas-imãs, casinha para pendurar na parede e casinha que é abajur. Todas são lindas e coloridíssimas. Além disso, o preço é melhor do que é cobrado nas lojas da cidade.



Em pouco tempo chegamos em Trancoso. Era domingo e imaginávamos que a cidade estivesse cheia, mas era uma mansidão só...

Um sol gostoso, mas não forte demais.
As casinhas coloridas, quase todas transformadas em restaurantes, bistrôs e cafés, ainda "dormiam". As cadeiras viradas indicavam que não estavam funcionando.




A vontade que dá é de sentar no gramado e ficar...

apreciar o céu, a igrejinha, o colorido do flamboyant...




Diante dessas cenas, eu tiro várias fotos como que numa tentativa de captar algo, que na verdade, é  incaptável, pois é uma sensação boa de tranquilidade... E nesse momento, lembro de um anúncio de cartão de crédito que diz "há certas coisas na vida que não tem preço", e essa é uma delas.
  
Depois fico olhando pra deixar aquela imagem gravada no meu "chip".

Tem como não se apaixonar ?!?!?!?!




A singela igrejinha de São João Batista fica na cabeceira do Quadrado de Trancoso e faz lembrar que foi aí onde tudo começou. 



Trancoso foi fundada pelos jesuítas em 1586 onde, nessa área elevada, ergueram a igreja de "São João Batista dos Índios", e como era costume na época, em torno da igreja foram construídas as primeiras casinhas do povoado.

Em 1759, por ordem do rei de Portugal, passou a ser Vila de Nova Trancoso e permaneceu como pequeno povoado por muitos e muitos anos.

Por volta dos anos 70, com a inauguração da BR 101, essa região da Bahia viveu uma grande transformação e vários povoados foram redescobertos, como foi o caso de Trancoso. Nessa época havia casas em torno desse Quadrado e os demais moradores viviam na roça. A luz elétrica só chegou em 1982.

Apesar de todo o crescimento e das mudanças vivenciadas pela cidade, para o turista que aí chega parece que a vida parou no tempo. É uma sensação gostosa.

Atrás da igrejinha tem um mirante de onde se vê
as praias e o rio que deságua no mar. 



Estando de costas para a igreja, pegue o 1º caminho à esquerda e vá sempre em frente até chegar a uma ponte de madeira que passa sobre uma área de mangue, para, então, chegar à praia.





Os caranguejos saem de milhares de buracos.



Praia dos Nativos



Praia de Coqueiros



Tem sempre um rio que que passa pelas areias de uma praia e deságua no mar. Esse é o rio Trancoso.



Depois de passearmos por essas duas praias de Trancoso, voltamos para o Quadrado para almoçar, pois meu marido já tinha visto um anúncio de feijoada, que ele ama.

Difícil foi descobrir onde era a entrada do tal restaurante "O Quintal da Glória", pois pra toda casinha que olhávamos as portas estavam fechadas, eis que encontramos.


  .
Entre a casinha amarela e a vermelha tem um corredor. Entre sem medo e não vai se arrepender.

As mesas estão arrumadas em diferentes ambientes num quintal de verdade com árvores, mico, passarinho e caminho de formigas.





Você pode escolher entre o prato feito ou a porção. Nós pedimos a porção e serviu bem duas pessoas.
Feijoada bem gostosa com farofa de banana !!! 

Para nos despedirmos da cidade, demos mais uma voltinha pelo Quadrado.



Pegamos a estrada de volta a Arraial d'Ajuda. 



Viajar é uma das melhores coisas da vida.

6 comentários

  1. Trancoso é uma delícia!! Também fiz um bate volta quando fui para Porto Seguro há mais de 10 anos... mas pelo visto, a praia continua lindíssima!! Um lugar imperdível nessa região!!

    ResponderExcluir
  2. Que lugar lindo! Estou apaixonada, quero conhecer demais! Que igrejinha linda, cheia de história, amei demais! Beijos

    ResponderExcluir
  3. Como não amar esse lugar depois desse relato e dessas fotos? E vi que você gosta de portas, janelas e flores como eu!!! nã conheço nada do Nordeste :( Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Belo texto! Consegui sentir bem a tranquilidade que vc tentou captar. As casinhas coloridas, a rusticidade e as praias desertas! Certamente um pedacinho de paraíso!

    ResponderExcluir
  5. Trancoso eu já conhecia e adorei, mas esta dica do Restaurante O Quintal da Glória é um achado. Preciso voltar à Trancoso, rever e fotografar tudo novamente e experimentar as delícias deste restaurante. Lindo post, sua mensagem no final tem tudo a ver comigo, concordo com você em gênero, número e grau. Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Realmente viajar é uma das coisas melhores da vida, conheci o quadrado também e amei.

    ResponderExcluir