PARIS 2º E 3º DIA

2º dia

O dia seguinte amanheceu muito frio, e, para aquecer, fomos andar pela rua do nosso hotel “Boulevard Beaumarchais”, divisa entre o Marais e a Bastille.

Em toda cidade é essencial localizar um supermercado e fazer compras como os locais. E, assim fizemos. Encontramos o Monoprix, um supermercado pequeno, mas com boa variedade de produtos, e, logo, passou a fazer parte de nossa rotina.

Todas as manhãs comprávamos queijo Camembert ou Brie, iogurte, uvas, suco e a baguete em alguma boulangerie [padaria]. E assim estava preparado nosso café da manhã com produtos gostosos e por um preço bem barato.

O hotel, onde nos hospedamos, ficava próximo da Place dês Vosges, e todos os dias, quando saíamos para nossos passeios, era obrigatória uma passadinha por lá, porque é um lugar lindo.






Caminhando por essa rua e atravessando o arco, que se vê ao fundo, chega-se à maravilhosa Place dês Vosges.




Caminhar por Paris sem um roteiro definido, mas com o olhar curioso de viajante, te leva a descobrir vários lugares. Foi assim que conhecemos o Hotel de Sully.

Este prédio foi construído, em 1625, para ser um hotel. E, depois de pertencer a  diferentes proprietários, foi classificado, em 1862, como monumento histórico. Tornou-se o Centre dês Nationaux Monuments, no ano 2000.
O jardim interno tem os muros cobertos de folhagem em diferentes tons de verde, laranja e rosa.
Não há quem não se encante com a beleza desse painel de folhas.


Apesar de termos levado um planejamento do que fazer a cada dia, ele ficou um  pouco de lado. Fomos explorando ruas e praças. Assim, conhecemos livrarias, bistrôs, igrejas, lojas e, até mesmo, lugares que queríamos conhecer, mas não encontrávamos, como um famoso restaurante que serve sopa de cebola: Au Pie de Couchon [rue Coquieliere], perto da igreja de Saint Eustaquio.

Nesse mesmo dia, conhecemos o Fórum Les Halles. Não sei bem como definir esse espaço. Parece um centro comercial subterrâneo: livrarias, cafés, cinemas e até uma academia de natação. Abriga também estações de Metrô.

Ao lado fica a igreja de Santo Eustáquio, a 2ª maior depois da Notre Dame

Na frente da igreja foi colocada uma escultura moderna -”uma mão”, que parece amparar “uma cabeça” -, onde todos param para uma foto. 





Bem próximo fica o moderno e imenso Centro Cultural Beaubourgque abriga um museu, teatro e biblioteca. É um espaço sempre muito movimentado por pessoas, que parecem estudantes e turistas



Ao lado, a  praça Igor Stravinsky também chama a atenção, pois  seu lago retangular é enfeitado por esculturas de papel mache super coloridas, que se movimentam a partir de jatos de água. A autora é Niki de Saint Phalle, artista plástica francesa.



Almoçamos no Bistrô Romain, um restaurante simples com massas e pizzas bem saborosas. Até às 16h, eles servem um cardápio que inclui o prato principal e sobremesa por um preço bem acessível.

Continuamos nossa caminhada com o propósito de ir à Torre Eiffel à noite, já que da 1ª vez a visitamos durante o dia. A vista lá de cima, com a cidade toda iluminada, é deslumbrante!!! O frio estava castigando e era ainda final de outubro.





3º dia

Dia de chuva: a alternativa foi mudar a programação e visitar museus. Escolhemos, então, rever o Museu D’Orsay, instalado em uma antiga estação ferroviária, a Gare D’Orsay.

Paris estava super lotada de turistas, e parecia que ninguém se importava com a chuva. Os carrinhos de bebê são adaptados para circular com qualquer tempo. Famílias - com várias crianças protegidas por capas, galochas, botas, casacos de nylon e guarda-chuva - circulavam pelos pontos turísticos ou enfrentavam as filas dos museus.



À frente dos quadros mais famosos, muitos guias davam aulas sobre História da Arte para grupos de turistas .
      Conhecer o acervo desse museu pode ser programa para o dia todo.









Apesar da chuva ter atrapalhado um pouco foi uma visita ótima. 



FOTOS : J.C. ALVAREZ



Leia Tambem


Nenhum comentário