SEVILHA

Os avós maternos e paternos do meu marido eram espanhóis e, segundo relatos dos familiares, eram da Andaluzia. Nos encontros de família, volta e meia, falava-se de um dia conhecer essa região. Eis que um dia, decidimos planejar a tão sonhada viagem e, ao começarmos nossas pesquisas, descobrimos que a história não era bem essa, ou seja, eles eram espanhóis de verdade, mas um deles era de Ourense, considerada a porta de entrada da Galícia, e outro era de Cáceres, na região de Castela. Enfim, ninguém era da Andaluzia. Bem, mas quem não sonha conhecer a Andaluzia ? Com antepassados andaluzes ou não, a região nos pareceu um lugar incrível para ser visitado.

As cidades que fazem parte da Andaluzia estão entre as mais procuradas pelos turistas que visitam a Espanha.

Selecionamos para nossa 1ª viagem: Sevilha, Granada e Córdoba.

Fizemos o percurso Madri/Sevilha de trem e chegamos numa manhã de domingo. Decididamente, não é muito interessante chegar em uma cidade no domingo. A cidade está meio quieta, sem movimento de locais, o comércio fechado e a 1ª impressão nem sempre é favorável.

Foi assim que saímos para o 1º passeio,meio desconfiados tipo "será que a cidade é tudo isso que ouvimos falar ????"

Depois de andarmos alguns quarteirões, passamos a ver a cidade de outra forma.
 No nosso 1º dia fizemos o seguinte roteiro:

1] Catedral de Sevilha.




A Catedral de Sevilha foi construída onde anteriormente estava a Mesquita Alfama. É considerada a terceira maior catedral do mundo e a maior da Espanha.
Infelizmente, estava fechada e nós não conseguimos visitá-la. Ficará para uma próxima oportunidade pois, com certeza, voltaremos a Sevilha.

 2] Real Alcazar de Sevilha


3] Parque Maria Luisa


O Parque Maria Luisa é um enorme parque com árvores variadas, jardins, praças, laguinhos, bancos e recantos gostosos para serem apreciados com calma. 

Inicialmente, fazia parte dos jardins do Palácio San Telmo, propriedade privada, e só em 1914 passou a ser um parque público.

Dentro de sua área encontramos a Plaza de España, Plaza de América, Museo Arqueológico e Museo de Artes y Costumbres Populares.




        4] Plaza de España

 A Plaza de Espanha fica dentro do Parque Maria Luisa e foi construída por ocasião da Exposição Íberoamericana de 1929.

É composta por um enorme prédio semi circular, tendo, em cada extremidade, uma torre de 5 andares, um canal e algumas pontes sobre o mesmo, uma grande fonte e 58 nichos representando as províncias espanholas.









Cada um dos nichos abaixo representa uma das províncias da Espanha, e cada província apresenta uma cena diferente. Os painéis e os bancos são revestidos em azulejos.




Tem como não ficar extasiada diante disso ?





O mapa no chão mostra em que região do país está localizada a província.



Às vezes, as pessoas me perguntam: o que tem para fazer na cidade "X" ? ou o que vocês tanto fizeram na cidade "Y"

Acho que a expectativa é que citemos vários museus, monumentos, igrejas, restaurantes. Tudo isso é legal de se conhecer em uma cidade e fazemos. Mas é igualmente bom passearmos sem destino, andarmos pra lá e pra cá, sentarmos em um banco de praça, apreciarmos o entorno, pensarmos na vida, nos imaginarmos vivendo naquela cidade. E assim foi em Sevilha Se tivesse ficado lá uma semana, iria todas os dias passear na Plaza de España, sentar em um desses bancos azulejados e curtir o Parque Maria Luisa.


5] Rio Guadalquivir 


 Sevilha foi, no final do século XVI, um importante porto fluvial de onde partiam navios direto para as Américas.
O rio Guadalquivir é o quinto maior rio da Península Ibérica, o maior da Andaluzia e, apesar de banhar também Córdoba, não é navegável nessa cidade.

Nós exploramos mais o lado da cidade onde fica a Torre del Oro, atravessamos a ponte Isabel com o intuito de conhecer o bairro Triana, mas, por falta de informação, não conhecemos muita coisa. Então, fomos passear por esse lado da margem.

Observamos muitas pessoas passeando por lá.


Em alguns trechos, a margem do rio "se desdobra" em uma extensa área ajardinada perto do rio e um calçadão próximo à rua.




 Vimos vários jovens, em grupo, conversando, escutando música, e outros namorando. E, realmente, essa é uma área muito agradável para qualquer um desses programas.




E que tal um passeio de bicicleta ? Eu acho que deve ser uma delícia, mas infelizmente não sei andar e, a essa altura da vida, não tenho mais coragem para aprender.



O Guadalquivir é também espaço de prática de atividade física, como remo e pólo aquático.





6] Torre del Oro

A Torre de Oro foi construída por volta de 1220 para servir de proteção, pois proporcionava uma visão privilegiada da entrada na cidade através do rio. Houve uma época em que serviu de prisão e, na época da Descoberta da América, foi usada para guardar riquezas trazidas das viagens. 

Atualmente, além de ser um pequeno Museu Naval, enfeita a paisagem, serve como ponto de orientação para "turistas perdidos" e é ponto de partida para vários passeios de barco pelo rio.




7] Bairro Triana





8] Ponte Isabel II

É mais conhecida como Ponte de Triana já que liga o centro ao bairro Triana. É uma ponte bonita e famosa, mas não é nada demais. 





9] Plaza de Toros

Eu queria muito conhecer uma Plaza de Toros, mas só era possível entrar no horário da visita com um guia e, como tínhamos pouco tempo na cidade, acabamos desistindo.




10] Arquivo das Índias

Esse prédio lindíssimo abriga um arquivo histórico que reúne documentação relativa à Descoberta das Américas e às Colônias Espanholas.

Na frente do Arquivo tem uma espécie de estacionamento de charretes. Elas levam turistas para um city tour e o condutor funciona como guia falando sobre a cidade.



11]  Bairro Santa Cruz

 É um bairro bem antigo onde moravam os judeus. Suas ruas são estreitas e meio labirínticas, dá até um certo medo de se perder por lá.



 
Os dias em Sevilha estavam lindíssimos: sol gostoso, céu azul sem uma nuvem,  mas fazia um frio que só passava com um chocolate quente com churros. (Brincadeirinha!!!). Essa era a minha desculpa para entrar numa chocolateria e me deliciar. 

Os árabes dominaram a região da Andaluzia durante 8 séculos e, logicamente, deixaram marcas e contribuições fantásticas na arquitetura, alimentação, moradia, artes etc... Em alguns recantos da cidade, nem parecia que estávamos na Espanha e dá pra se imaginar num país árabe.



FOTOS: J.C. ALVAREZ



Leia Também:

Nenhum comentário